terça-feira, 25 de janeiro de 2011

1ª Feira de Antiguidades e Coleções


de Luiz Carlos Felice
data 25 de janeiro de 2011 13:57

Segue cartaz do evento que a AFA estará realizando em fevereiro aqui na estação de Araraquara.Peço ajuda todos para a divulgação e presença no evento.

Caso conheçam colecionadores que queiram expor e enriquecer nosso evento, peço para que entre em contato com o Marcos Bomba através do e-mail: macdj87@gmail.com

Vale qualquer tipo de coleção -- inclusive de trens.

Durante o evento, os colecionadores poderão fazer negociações e trocas de itens sem problema algum.

Como de costume, as maquetes da AFA estarão em exposição.

Luiz Carlos Felice
Pres. da Associação de Ferreomodelismo de Araraquara - AFA

domingo, 23 de janeiro de 2011

Nasce a UFP - União de Ferreomodelismo Paulista


Sent: Sáb 22/01/11 21:57
Dia de vitória para o Ferreomodelismo

Caros amigos, fui incubido de passar a grata notícia para todos os amigos ferreofãs.

Após uma longa reunião na estação ferroviária de Araraquara com os amigos de lá e de São Carlos, instalamos provisóriamente a sede da ABF em concessão com a AFA, uma vez que demos linha de Bebedouro.

Hoje surgiu a U.F.P. - União de Ferreomodelismo Paulista -, unindo a ABF, AFA, AFERP, ARFe e GRUSCFER. Lembro que cada associação é constituida e tem seus próprios estatutos, porém, em eventos todos nós seremos unidos para ficarmos mais fortes e independentes da máquina politica.

A boa notícia também fica por conta dos eventos previamente agendados para este ano. A cargo da AFA nos dias 30 de abril e 01 de maio o 2º Encontro de Ferreomodelismo naquela cidade, já no mês de julho e evento é por conta da GRUSCFER em São Carlos, onde participarão as associações unificadas pela U.F.P. Hoje foi a primeira reunião... porém, esperamos que dê certo com o apoio de todos os amigos.

Forte Abraço.

Luciano Marcassa

[Via SBF - Salles]

sábado, 22 de janeiro de 2011

Associação Bebedourense de Ferreomodelismo encerra atividades por falta de apoio de Italiano

A Associação Bebedourense de Ferreomodelismo (ABF) encerrou suas atividades no município, no último sábado (15), em protesto contra a falta de apoio do governo de João Batista Bianchini. A decisão foi tomada após o arrombamento do “Vagão Roque Garibaldi”, no dia 09 deste mês, utilizado como sede pelo grupo, desde a sua inauguração em outubro de 2007.

“Na quarta-feira (11), os funcionários da Estação me ligaram pedindo para que eu fosse até o local, pois a empresa que presta serviços para a prefeitura na área de alarmes estava lá e apontava problemas com o alarme que estava dentro do nosso vagão. Quando cheguei lá, verifiquei que a janela do fundo tinha sido arrombada com uma barra de trilho, que serviu para a pessoa adentrar a parte inferior do vagão e ter acesso a área de exposição. Danificaram todo o sistema de alarme, bem como toda a fiação, que é junto com a iluminação, algumas maquetes e furtaram em média de cinco a seis quadros que estavam expostos”, expõe Luciano Marcassa, um dos fundadores da ABF.

Segundo o ferreomodelista outros acontecimentos também contribuíram para a decisão. “Mediante a esse fato e muitos outros que enfrentamos e estamos enfrentando, como pichações e danificações à pintura, a primeira tentativa de arrombamento há algum tempo atrás e, principalmente, a falta de vigilância na Estação, no período noturno, decidimos encerrar as atividades em Bebedouro, porque desta vez, o nosso prejuízo foi grande demais”, aponta Marcassa.

Luciano informa que todo o material da ABF será encaminhado para Araraquara e se unirá ao acervo da AFA (Associação de Ferreomodelistas de Araraquara). “O nosso material ficará em concessão com o da AFA, onde podermos nos reunir, organizar e ajudar em outros eventos nas cidades, que já possuem tal modalidade. Lá tem salas para as maquetes ficarem expostas, há policiamento noturno, não só o da ALL, mas também da guarda municipal araraquarense. Sem contar que a prefeitura de lá, apóia nós que somos daqui. O interessante é como Araraquara pode apoiar uma Associação de Bebedouro e a nossa cidade não nos apóia? Por isso decidimos encerrar as atividades por aqui”, justifica.

O presidente da ABF, João Carlos Lima, afirma que a instalação de sistema de alarme em toda a Estação, incluindo o vagão, não é suficiente, porque entre o disparo do alarme e a vinda da Guarda Municipal, há tempo suficiente para vândalos danificarem e furtarem objetos.

“Perguntamos ao Comandante da Guarda porque ele não implanta um posto avançado na Estação e a resposta foi falta de efetivo. Só quero saber uma coisa: porque o efetivo noturno fica lá, na Feccib Nova, perto da rodovia? É central, gasta menos combustível, chega mais depressa em qualquer ocorrência! Eles me disseram que ficam guardando material, o único material que tem lá é sucata e mato. É isso que eles ficam guardando? É, justamente isso que não entendemos e a nossa revolta começa daí. Em todas as cidades que participamos de evento, há um posto avançado da Guarda dentro da Estação.

Não é preciso fazer o menor esforço para que isso aconteça, de noite eles deslocam o efetivo para o local e pronto. Por que aqui é diferente? Não é preciso construir nada, tem salas, banheiros é só puxar uma extensão do telefone. Gostaríamos de saber se é má vontade ou se não somos bem quistos em Bebedouro”, destaca João Carlos, que menciona que Jaboticabal, Ribeirão Preto e São Carlos também fizeram ofertas para receber a Associação de Bebedouro.

E a prefeitura?

De acordo com João Carlos ocorreram três reuniões com o prefeito Italiano. “Nas reuniões, ele se comprometeu em atender nossos pedidos, mas até o momento nada foi feito. Uma vez, pedimos ao Italiano que arrumasse o telhado do Museu do Ferroviário, pois vazava água por todos os lados e nenhuma providência foi tomada. Nós compramos as telhas com o nosso dinheiro, subimos no telhado e o arrumamos”, garante.

Luciano Marcassa diz que o Coordenador de Cultura do município, Fauze Mustafá Bazzi, entrou em contato com ele preocupado com a situação da ABF. “O Fauze está muito preocupado com toda essa situação, porque querendo ou não, repercute mal para Bebedouro, pois o Encontro de Ferreomodelismo, que realizamos anualmente e está incluso no calendário municipal, é um evento que atrai muitos turistas, dá um efeito positivo para a cidade, para a memória ferroviária e também para o turismo, entretanto, decidimos abandonar tudo, até mesmo porque, o Italiano vetou a nossa verba, novamente este ano, para a realização do encontro”, ressalta.

“Mas, quero deixar claro que o problema da Associação não é com o Fauze, pelo contrário, gostamos muito dele e o admiramos, pois desenvolve o seu trabalho sem dinheiro. A Coordenadoria de Cultura não tem verba para nada e isso é um absurdo. Como uma pessoa pode trabalhar assim?

Sabemos que o Fauze não tem como nos ajudar e sabemos também que ele está preocupado de mandarmos nosso material para fora, dos vagões irem para Araraquara. Segundo o que ele me informou, vai agendar uma reunião com o Italiano para tratar do assunto e me retornar”, declara Marcassa.

Luciano assegura que, por enquanto, os vagões permanecerão na Estação Cultura. “Estes vagões são da ABF, com a participação da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária e, mediante o encerramento de nossas atividades em Bebedouro, existe um interesse de a AFA vir buscar esse material, assim como a ABPF de retirá-los daqui. Porém, disse ao Fauze que por enquanto, ninguém irá mexer em nada e como esse material é de responsabilidade nossa, vamos continuar olhando. Temos conhecimento de pessoas que dormem na Estação e vão lá para fazerem uso de drogas, e não podemos deixá-los, mas já retiramos tudo o que havia dentro deles e estaremos lacrando todos os vagões”, salienta.

Outro lado

O coordenador Fauze Bazzi esclarece que algumas providências já foram tomadas. “Fiz um pedido a Guarda Civil para aumentar o patrulhamento no período noturno e nos finais de semana e todas as medidas foram tomadas para restabelecer a segurança no vagão”.

Fauze acredita que a ABF não encerrará suas atividades na cidade. “Acredito que eles estejam muito chateados e que, com o tempo, vamos conseguir encontrar uma saída para esta situação. Eles são muito aficionados, gastam tempo, dinheiro e creio que  a Associação não acabe, devido ao amor que eles tem por ela. As vezes estão com receio de colocarem tudo lá dentro de novo, talvez se tivesse um guarda lá diariamente, as coisas mudariam, mas isso não compete a mim”, finaliza o coordenador.

O encerramento das atividades da ABF repercutiu nacional e internacionalmente. Veja os depoimentos:

“Caro amigo Luciano, com certeza lamentamos profundamente. Mas, essas muralhas temos que enfrentar, pelo menos a gente não desanimando e mantendo dentro do hobby. É um problema crônico que todos enfrentam, aqui quase semelhante e lamento da mesma forma não ocorrer mais essa magno encontro. Lembra que, infelizmente, isso faz parte de nossa cultura e os vândalos é o câncer da sociedade, não tem jeito é cada vez pior. Quero que pelo menos o amigo tenha força para estar junto a nós dentro do hobby, dessa forma não enfraquecerá com certeza”.

Joel Prado
Membro da AFA (Associação de Ferreomodelistas de Araraquara)

“Poxa vida!!!!! Que situação lamentável......a que ponto  chegamos. Cara!!!
Juro para você, que todos nós das associações e grupos de ferreo, aqui da nossa região, temos vocês da ABF, como espelho e exemplo, afinal foram os primeiros a terem a coragem de organizar um encontro de ferreo, fora o da Frateschi e veja onde chegamos. Olhe quantas cidades estão interessadas em obter um evento desse porte, observe quantos encontros participamos juntos ano passado, quantas pessoas conseguimos levar as estações ferroviárias de Araraquara, Bebedouro, Rio Claro e São Carlos.

Queria eu, ter conseguido restaurar um carro da CP, e mais 2 ou 3 vagões, como vocês conseguiram, digo não com inveja, não.... Mas com muito orgulho e honra, por todo trabalho executado pelos irmãos da ABF. Estou muito triste, pois nesses poucos anos, em que participei dos eventos organizados pela ABF, fiz muitos amigos na cidade de Bebedouro, e será muito difícil, amargar a ideia de não haver um encontro nessa cidade, neste ano... Lamento muito, por toda essa situação, que estão passando, sei que não é fácil pra ninguém, mas tenho fé e rogo ao Senhor, que tão situação seja revertida em breve, tenha força... Muita força... E conte  conosco para o que for necessário, estaremos a sua disposição a qualquer momento.

Erga a cabeça e olhe sempre a diante, irmão...”

Ocimar Prata Vieira
Gruscfer - Grupo Sãocarlense de Ferreomodelismo

“Realmente é desanimador... Por inúmeras vezes eu disse a mim mesmo, o que eu estou fazendo??? Porque isso?? Pra te dizer a verdade, já pedi para sair várias vezes e sofro chantagem e dizem que sai também. Não é fácil meu caro e o importante é lutar enquanto você tem ânimo!!

Força e um abraço”

Hélio Gazzeta Filho
Presidente da ABPF Nacional

“Sei como é. Sei o quanto é duro ter que suportar a indiferença e o trabalho contra de gente que está aboletada em cargos públicos, recebendo gordos salários que saem dos nossos bolsos, e que deveriam fazer, ou no mínimo incentivar o que fazemos de graça, simplesmente pelo prazer de fazer algo bom, que possa reverter benefícios à comunidade.

O caso de Bebedouro é, infelizmente, mais um dos muitos exemplos de prepotência, despreparo, má fé e etc. de gestores públicos, que nada mais são que chupins que se acham o próprio Deus na terra, apenas porque ocupam um cargo, seja ele eletivo ou de confiança. Esses ilustres mandatários, senhores absolutos do "eu permito" ou do "eu não permito", ou ainda, "você faz se eu deixar", estão acima do bem e do mal, e à nós, meros mortais, cabe apenas dar de ombros e virar a página, ou (infelizmente isso é para poucos) discordar e trazer a verdade a tona, mesmo que a maioria não se importe. Enquanto essa maioria continua feliz, sendo cagada da cabeça aos pés, mas sempre aplaudindo e sorrindo, os parasitas continuam confortavelmente prejudicando a todos nós. E em outra eleição, certamente terão os tão cobiçados votos de que tanto precisam para nos esculhambar mais um pouco.

Se não há felicidade que não se acabe, também não há mal que para sempre perdure”.

Denis Esteves
Presidente da Associação de Ferreomodelismo e Coordenador do Patrimônio Histórico Ferroviário de Ribeirão Preto

“Luciano, pensou em solicitar apoio ao Lucas Frateschi? Se eu puder ajudar e algo, pode contar comigo. Quanto ao ocorrido na associação, não tenho muito que falar. Espero que a ABF só esteja passando por "um momento conjugal difícil" e que depois façam as pazes.

Abraço e forças pra superar mais esse percalço”.

Sasá
Araras/SP

“Fico chateado com esta notícia. Mais uma vez o poder público deixa a nossa história de lado. Infelizmente, acho que estou me acostumando com este assunto, pois aqui em Americana, a prefeitura freou a minha 5° tentativa de montar uma pequena sala da memória ferroviária aqui na estação. Diante disto, agora joguei a toalha e não vou perder mais meu tempo com projetos junto à prefeitura de Americana. O que eu tiver que ajudar, vai ser com o pessoal da Fundação ROMI que desenvolvem um excelente trabalho de preservação não só da memória da ferrovia aqui da região, mas também da história da cidade de Santa Bárbara d'Oeste e Americana.

Meu amigo, espero que você consiga reverter a situação e fazer o 8º Encontro da ABF. Apesar de eu não ter conseguido participar nos dois últimos anos, ainda considero o seu evento como o melhor do gênero.

Grande abraço a você e a todos da ABF”.

Fabiano Ardito
Concessionária ferroviária MRS

“A ABF  foi à primeira  Associação de Ferreomodelismo  a ter coragem e  a determinação de fazer um Encontro de Ferreomodelismo sem ter qualquer vínculo   com o   fabricante,   nós   do GRUSCFER -   Grupo  Sãocarlense de Ferreomodelismo e como outros grupos e Associações  estamos decepcionados com tal atitude, um descaso com memória ferroviária não só da cidade, mas com a história do transporte de nosso  Estado nos tempos áureos do café, no qual transformou-se  no Estado mais rico da nação, espero que tenham mais respeito  a esta memória.

Mantermos esta memória viva através de encontros  que são realizados nas cidades de Bebedouro, Bauru, São Carlos, Rio Claro e Araraquara, conseguiremos trazer milhares de pessoas as Estações Ferroviárias, onde famílias inteiras vem conhecer  este hobby que encanta crianças e fazem  os adultos relembrarem o passado, pais e filhos se unem cada vez mais.

Lamento muito,  a ABF é  um espelho; e se não fosse vocês, não teríamos um  incentivo para criarmos os grupos. Sabemos o quanto  é difícil, mas não podemos ficar quietos e abaixar a cabeça, pois também temos nossas dificuldades aqui e estamos lutando sempre para alcançar nossos objetivos, espero que toda essa situação se reverta o mais brevemente possível.

Valter Luiz Dulci
Gruscfer - Grupo Sãocarlense de Ferreomodelismo
           
“Recebi seu e-mail sobre o que anda acontecendo ai em Bebedouro,digo que estou muito triste em saber que invadiram a sede de vocês e também que não vai acontecer o evento deste ano por falta de apoio.

Como pode isso??? Não ter o apoio da prefeitura para realizar um evento de grande sucesso de publico como o de Bebedouro que até já se tornou  referencia nacional!.

É lamentável!!!

Só estou entrando em contato agora porque antes de te dizer alguma coisa precisava conversar com algumas pessoas. Pois bem... Gostaria de convidar você a trazer o resto das coisas da ABF para Araraquara. Já conversei com o pessoal aqui e eles adoram a idéia. Assim colocaríamos todo o acervo da ABF em exposição conjunta com o acervo da AFA. Como você já viu, parte do seu acervo já encontra-se em exposição aqui.

Vou mais fundo ainda... Já que ai vocês não tem nenhum incentivo de ninguém e muito menos da Prefeitura de Bebedouro... Estamos dispostos a trazer para Araraquara o carro sede da ABF e os demais materiais rodantes preservados que encontra-se em poder da ABF.

Como você já sabe, temos um grande apoio da Prefeitura através das secretarias de turismo e cultura, Faculdade UNIARA, ABPF e algumas empresas que estão sempre colaborando com nossos eventos. Fizemos uma reunião com os sócios da AFA e com o coordenador do patrimônio histórico da cidade e todos concordaram que seria uma grande atração para o Museu Ferroviário aqui de Araraquara. Vamos esta semana conversar com um contato nosso na ALL.

Esquece esse pessoal dai que nunca deu valor nos esforços da ABF e seu na importância da preservação da Historia Ferroviária através dos eventos realizados e restauração dos materiais rodantes e vamos unir a AFA com a ABF e formar uma grande parceria em que quem vai sair ganhando é a Historia Ferroviário.

Pense nisso... Semana que vem devo ir pessoalmente a Bebedouro para ouvir um SIM de sua parte.

Um grande abraço!!

Luiz Carlos Felice
Presidente da Associação de Ferreomodelismo de Araraquara - AFA

“Estimado Luciano: Hemos de considerar a Bebedouro como lugar "No simpático para el turismo”.

Saludos
Héctor - Hectkoreon Seabra
Argentina

Jornal Impacto - Bebedouro e Região | 22/01/2011

http://www.jornalimpactobebedouro.com.br/?imp=noticiasLer&id=1137

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Os trilhos e o fim da Fazenda dos Ingleses



Capítulo de livro (reproduzido há tempos na Igarati Revista) descreve o "tsunami" de terra, água, árvores e pedras que destruiu a Fazenda dos Ingleses, no litoral entre São Sebastião e Caraguatatuba, em 1967.

O deslizamento que destruiu a Fazenda dos Ingleses (1967) - http://goo.gl/OFGDi

Páginas relacionadas

sábado, 15 de janeiro de 2011

Encerramento da ABF - Bebedouro

Bem meus amigos, nem sei como começar este e-mail.

Porém é preciso desabafar com alguém sobre determinadas coisas que acontecem. Pois bem, é público e notório que a Prefeitura Municipal de Bebedouro não vem nos apoiando em absolutamente nada do que realizamos, pior que isso, cortaram toda nossa verba para quaisquer coisa, principalmente para a realização do encontro deste ano em Bebedouro.

Com a saída freqüente de associados da ABF, o desânimo do pessoal, a falta de comprometimento dos poucos que restaram na equipe, inclusive eu, sim, não vou tirar o meu da reta...a ABF vem devagar quase parando, portanto, não teremos o "8º Encontro ABF de Ferreomodelismo em Bebedouro" este ano devido a uma série de fatores. Falta de apoio de Prefeitura e empresas, desânimo do pessoal... e pra piorar, hoje tive a triste constatação de que arrombaram nossa sede, vindo a estragar a janela do fundo, portas internas, todo o sistema de alarmes, iluminação, maquetes que lá estavam e roubaram alguns quadros que ficavam expostos na parede do Carro Sede.

Infelizmente é de lamentar, pois um patrimônio Histórico como a Estação Ferroviária, que tem 109 anos fica deixada a própria sorte,   a mercê de vândalos que fazem dela de gato e sapato, nos finais de semana e nas madrugadas a fora, uma vez que não temos vigilância por lá. A Guarda Municipal só aparece por lá quando toca o alarme...daí meu amigo, até chegarem lá, já era. Mas tudo bem, reabriremos quando der. Até lá, Bebedouro perde outra vez...mais uma vez.

Abraços.

Luciano Marcassa



Prezados amigos.

É com pesar que venho por meio desta informar à todos que a partir do dia 15/01/2011 a Associação Bebedourense de Ferreomodelismo estará encerrando suas atividades em Bebedouro. depois dos acontecimentos ocorridos achamos melhor dar por encerrada nossa ações nesta cidade e partirmos para ajudar associações que realmente tem apoio cultural.

Gostaria de informar aos amigos que o material restante da ABF ficara em concessão da AFA (Associação de Ferremodelismo Araraquarense), de onde poderemos nos reunir, organizar e ajudar em outros eventos nas cidades que já possuem tal modalidade.

Grato.

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Lançamento do site "FerreoDicas"

De: Paulo Vinicius Wolski Radtke
Data: Ter, 11 de Janeiro de 2011 08:05

Prezados, lanço hoje o meu novo projeto de ferreomodelismo online, o FerreoDicas.com em http://ferreodicas.com. Convido todos a visitarem a página, participando do site nos comentários, seguindo o perfil @ferreodicas no Twitter ou se tornando fã da nossa página no Facebook. O site é aberto a participação de novos colaboradores e me deixaria satisfeito ter hospedado no site o trabalho de qualidade dos colegas ferreomodelistas.

Aguardo a visita e os comentários de vocês no site e na nossa página de fãs. Se gostarem do conteúdo, aproveitem os botões de integração com redes sociais para recomendar o conteúdo a seus amigos. Gostou de um artigo? Guarde um PDF. Fez um trabalho e quer mostrar como ele foi feito? Converse conosco para colocá-lo online. O FerreoDicas.com não é feito só para vocês, ele também vai ser feito por vocês.

Abraços,

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Atentado nos EUA

Transcrevo do blog Casa-grande digital, do Elvis:

Uma excelente reportagem do Paul Krugman, traduzida pela Folha, pode ser encontrada aqui: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/857445-clima-de-odio.shtml.

Com esta a Folha tenta se redimir aos pouquinhos da baboseira do crucifixo. Aos pouquinhos mesmo, porque é artigo traduzido, não da própria pena.

Basicamente, traça um inteligente paralelo entre o recente atentado à deputada estadunidense e a bomba de Oklahoma. Sem cair na pieguice de inocentar os perpetrantes, responsabiliza o clima de guerra e ódio no campo político, que influencia os malucos e limítrofes de plantão.

A desculpa típica dos políticos que incitam o ódio ("eram apenas figuras de linguagem") não cola. Até porque político profissional não comete este tipo de erro. Quando um político fala, por exemplo, em "extirpar da política" uma pessoa ou partido, ele quer dizer exatamente isto. Se aparecer algum maluco para realizar a extirpação no sentido literal, é lucro. Se, por outro lado, pegar mal, a desculpa-padrão está na ponta da língua, os crédulos abundam mais que os limítrofes.

http://casagrande.epx.com.br/2011/01/atentado-nos-eeuu.html

sábado, 8 de janeiro de 2011

Documentário histórico - implantação do MetroRec

Técnicos e ferroviários da CBTU-Pernambuco recuperaram no ano passado um documentário histórico abordando a implantação do Trem Metropolitano do Recife - MetroRec, em substituição aos velhos trens de subúrbios.

Ainda não pude descobrir a data exata do filme, nem outros detalhes, para que fiquem registrados:

http://vfco.brazilia.jor.br/TU/MetroRec/documentario-implantacao-MetroRec.shtml

A "2zinha" manobrando locomotivas SD18 e SD38


Na época de revisão geral das locomotivas SD18 e SD38M feitas pela Alstom / Ecil na antiga CCC em Cruzeiro, a empresa não tinha condições de manobrar as pesadas locomotivas para o interior dos galpões. Neste caso a ABPF - Associação Brasileira de Preservação Ferroviária deu aquela ajudinha com a locomotiva "2zinha" (ctcsmafia).

Site: Mafia CTC

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Manobra de vagões com trator... e uma alavanca

video

Quando o cidadão começou a movimentar o vagão (carregado) com uma simples alavanca, mal deu tempo de correr até lá e colocar a digital e posição de gravar -- o vagão já estava posicionado sobre a balança, e dali em diante ele só fez um pouco de teatro, para aparecer no filme.


O posicionamento "manual" do vagão sobre os trilhos da balança de pesagem deve-se ao fato de não ser usada uma locomotiva, mas sim um pequeno trator, com um cabo de aço. Ele vem ao lado dos trilhos, puxando os vagões, e não tem como freá-los ou posicioná-los com exatidão. Apenas pára, quando acha que o impulso dado aos vagões já é suficiente para levá-los até a balança. Daí por diante, é com o "manobrista" e sua alavanca.


Data e local: antigo silo ATC / Multigrain, em Brasília (SAAN), 27 Out. 2003.

quinta-feira, 6 de janeiro de 2011

Carta de Passa Quatro, MG

As lideranças das entidades signatárias desta Carta, vinculadas à preservação e revitalização ferroviária, e os (as) participantes do Seminário “Qualidade com Foco no Cliente”, realizado no período de 3 a 5 de dezembro de 2010, em Passa Quatro – MG, deliberaram encaminhar este documento às autoridades dos Poderes Legislativo e Executivo, com destaque para aquelas vinculadas aos setores de turismo, de cultura, de transportes e outras áreas dos governos federal, estaduais e municipais, incluindo as autoridades que assumirão seus mandatos ou cargos a partir de 2011,

Considerando:

a) a importância que o Governo Federal vem dedicando atualmente ao setor de transporte ferroviário;

b) a importância histórica da malha ferroviária nacional, que permitiu a ocupação, deslocamento e desenvolvimento de cidades e populações, encontrando-se na atualidade, porém, em boa parte relegada a somente promover o transporte de cargas;

c) que existem atualmente mais de duas dezenas de Trens Turísticos e Culturais – TTCs, operando no Brasil, gerando emprego e renda para milhares de pessoas, transportando mais de 2,5 milhões de passageiros por ano, em antigas linhas, em sua maioria literalmente abandonadas pelas atuais concessionárias de cargas;

d) que as atividades desses TTCs podem ser ampliadas, gerando mais empregos e renda, desde que haja estímulo e apoio por parte dos Governos Federal e Estaduais;

e) que existe uma enorme e diversificada quantidade de ativos ferroviários, com destaque para estações ferroviárias desativadas ou apenas parcialmente em uso, carros de passageiros e vagões abandonados e em processo de destruição, vandalismo ou furto, os quais podem se transformar em espaços culturais e equipamentos urbanos para promover a cidadania, a inclusão social, a cultura e a preservação do patrimônio histórico ferroviário,

Propõem:

1. Que sejam agilizados por parte do IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, da SPU – Secretaria do Patrimônio da União, do DNIT – Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte e da Inventariança da Extinta RFFSA, os processos e procedimentos de cessão da posse ou propriedade dos bens de valor histórico e cultural da extinta RFFSA para as Prefeituras Municipais e entidades da sociedade civil, sem fins lucrativos, para a preservação da memória ferroviária e para projetos que contribuam para o desenvolvimento da cultura e do turismo, na forma estabelecida pelo Decreto no 6.769, de 10 de fevereiro de 2009, do Exmo. Sr. Presidente da República, publicado no Diário Oficial da União – Seção 1, de 11 de fevereiro de 2009;

2. Que os Governos Federal e Estaduais estimulem, apoiem e fiscalizem as Prefeituras Municipais e entidades da sociedade civil, sem fins lucrativos, para que, ao receberem a posse ou propriedade dos citados bens, assumam formalmente e cumpram o compromisso de restaurar, proteger e preservar os citados bens, utilizando-os exclusivamente para fins e atividades relacionados com os objetivos mencionados no Decreto no 6.769, de 10 / 02 / 2009;

3. Que continuem a ser acompanhados pelo Ministério Público Federal e pelos Ministérios Públicos Estaduais os processos de urgente proteção e destinação dos citados bens, responsabilizando, por ação ou omissão, as autoridades que retardem os procedimentos de entrega dos bens, colocando em risco sua integridade e seu uso a serviço da comunidade;

4. Que sejam instalados, nas instâncias federais e estaduais, os processos de tombamento dos bens constitutivos do patrimônio histórico e cultural ferroviário construído (estações, rotundas, oficinas, caixas d ́água, locomotivas, carros de passageiros, vagões etc.), pelo seu valor temático, independentemente do seu estilo ou importância arquitetônica, no caso de edificações;

5. Que o IPHAN, a SPU, a Inventariança da Extinta RFFSA e o Arquivo Nacional implementem urgentes providências para a triagem, o inventariamento, a restauração, a higienização e a adequada guarda do acervo documental da Extinta RFFSA, em situação de grave risco de progressiva deterioração e até mesmo de perda total e irreparável;

6. Que o IPHAN, a SPU, a Inventariança da Extinta RFFSA e a Biblioteca Nacional desenvolvam imediatas ações para a catalogação, a restauração, a higienização, a adequada guarda e a disponibilização para o público, do acervo das bibliotecas da Extinta RFFSA, com especial prioridade para a Biblioteca da antiga Administração Geral da RFFSA, no Rio de Janeiro, o maior acervo especializado em transporte ferroviário da América Latina;

7. Que a ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres promova a reformulação dos contratos de concessão do transporte ferroviário de cargas celebrados com as atuais operadoras, explicitando com mais clareza os parâmetros para definir suas obrigações de disponibilização de faixas em suas grades de programação para os trens de passageiros;

8. Que o Ministério do Turismo estimule e apoie os municípios para que se articulem em redes ou circuitos regionais turísticos e culturais, para projetos que tenham como âncora a preservação e a revitalização ferroviária, com destaque para os Trens Turísticos e Culturais – TTCs;

9. Que a histórica Estação Barão de Mauá / Leopoldina, no Rio de Janeiro, já tombada pelo INEPAC – Instituto Estadual do Patrimônio Artístico e Cultural do Rio de Janeiro, seja objeto de atenção pelos Governos Federal e Estadual, objetivando a :

9.1 – restauro e requalificação de suas instalações, ora em fase de avançada degradação; 9.2 – não permissão de ocupação de suas instalações por instituições alheias ao universo ferroviário; 9.3 – implementação, em seu complexo, do Museu Ferroviário Nacional, incorporando imediatamente o Museu do Trem do Rio de Janeiro, atualmente fechado e abandonado, no bairro do Engenho de Dentro;

10. Que o projeto de reativação da Estrada de Ferro Mauá, primeira ferrovia brasileira, elaborado pelo IPHAN – Superintendência Regional do Rio de Janeiro – SR.6, seja incluído pelo Governo Federal no PAC – Programa de Aceleração do Crescimento;

11. Que, de semelhante modo, o projeto de reativação da ligação ferroviária entre o Rio de Janeiro e Petrópolis, o chamado “Expresso Imperial”, seja também incluído pelo Governo Federal no PAC, e que o Governo do Estado do Rio de Janeiro libere os recursos de dotação orçamentária específica para sua implantação, aprovada pela ALERJ – Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro;

12. Que o Ministério dos Transportes, o Ministério do Turismo, o Ministério da Cultura, o SEBRAE, a ANTT, o DNIT, a SPU, o IPHAN, as Secretarias Estaduais de Cultura e do Turismo e as Prefeituras Municipais apoiem e facilitem a implantação e a operação de projetos de novos trens turísticos e culturais, por sua expressiva contribuição para a preservação da memória ferroviária, para a revitalização do transporte de pessoas sobre trilhos, para o desenvolvimento do turismo e para a geração de emprego e renda, envolvendo as entidades de preservação e revitalização ferroviária, incluindo as Operadoras de TTCs, na formulação de planos, programas e projetos;

13. Que os estudos, pesquisas e experiências com a utilização de tecnologia de levitação magnética, em desenvolvimento na UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro / COPPE - Coordenação de Programas de Pesquisa e Pós-Graduação em Engenharia, recebam das autoridades governamentais o apoio necessário e que sejam analisados como possível alternativa em novos projetos ferroviários, como é o caso do TAV – Trem de Alta Velocidade Rio / São Paulo / Campinas e de projetos de utilização de VLTs – Veículos Leves sobre Trilhos como soluções para sistemas de transporte urbano de pessoas;

14. Que o Governo Federal retome o estudo / projeto “Trens Regionais de Passageiros”, encomendado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES à UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro / COPPE – Coordenação de Programas de Pós-Graduação em Engenharia, que foi paralisado pouco após a sua divulgação, em virtude principalmente dos seguintes fatos:

14.1 - ausência de linhas de financiamento específicas e diferenciadas para as Operadoras de TTCs realizarem investimentos em via permanente e na reforma de material rodante, sobretudo no que tange à aquisição de trilhos e dormentes e reforma de locomotivas, carros de passageiros e vagões, itens esses atualmente não contemplados com o apoio do BNDES;

14.2 - inexistência no país de fabricantes de material rodante (VLTs Veículos Leves sobre Trilhos), com exceção da empresa Bom Sinal, que produziu o VLT do Cariri, no Ceará, que opera há 1 (um) ano com grande sucesso;

14.3 - falta de flexibilidade das atuais operadoras de cargas que dificultam ou não permitem que os TTCs trafeguem em suas linhas, muitas delas com baixa intensidade de tráfego;

15. Que o Governo Federal facilite a cessão, a restauração, a requalificação e o aproveitamento de Ativos Ferroviários não operacionais em equipamentos públicos, por meio de projetos como Estações da Cidadania, Centros de Oportunidades Profissionais, Centros Ferroviários de Cultura e assemelhados.

16. Que o IPHAN, o DNIT, SPU, Inventariança da Rede, agilizem o retorno para as suas origens dos ativos ferroviários (material rodante, móveis, objetos, utensílios, mapas, documentos, livros etc.) ora armazenados ou localizados em lugares distintos de sua origem, quando houver solicitação expressa de prefeituras, associações de classe, entidades preservacionistas, e outros interessados.

17. Que os Governos, federal e estaduais, estimulem e apoiem a participação dos TTCs em todos os fóruns, comissões, grupos de trabalhos, comitês, que tratem de questões importantes ligadas ao setor ferroviário.

18. Que a ANTT dedique especial atenção à fiscalização da operação de todos os TTCs ora em operação no Brasil, objetivando a melhoria na qualidade, confiabilidade e segurança nos serviços prestados.

19. Que o resgate, a preservação, a valorização e a difusão do patrimônio histórico e cultural ferroviário e a revitalização do transporte sobre trilhos no Brasil sejam considerados como estratégias e ações prioritárias pelos Poderes Executivo e Legislativo, em seus três níveis – federal, estadual e municipal.

Passa Quatro – MG, 5 de dezembro de 2010

1. ABOTTC – Associação Brasileira das Operadoras de Trens Turísticos e Culturais
2. ABPF – Associação Brasileira de Preservação Ferroviária
3. AFPF – Associação Fluminense de Preservação Ferroviária
4. AEEFL – Associação dos Engenheiros da Estrada de Ferro Leopoldina
5. AENFER – Associação de Engenheiros Ferroviários
6. AFERJ – Associação de Ferreomodelismo do Rio de Janeiro
7. AMUTREM – Associação dos Amigos do Museu do Trem do Rio de Janeiro
8. Centro Universitário Metodista Bennett
9. CFVV – Circuito Ferroviário Vale Verde
10. FNTF – Federação Nacional dos Trabalhadores Ferroviários
11. GT-TREM / COMTUR – Conselho Municipal de Turismo de Petrópolis
12. Instituto Rio Carioca Instituto Uniarte
13. MPF – Movimento de Preservação Ferroviária
14. PCBM – Ponto de Cultura Barão de Mauá
15. PMPQ - Prefeitura Municipal de Passa Quatro – MG